Tag Archives: Louise Bourgeois

Série Ficcional H. Miller XXVIII: Coração

12 jun

por Lia Mirror

 

“… o espírito é como um rio que procura o mar. ” (Henry Miller)

 

“- Pode entrar, Dr. Fausto lhe aguarda. ”

Apreensiva adentrei novamente o consultório. De imediato avistei Dr. Fausto e o elogiei pela bela aparência ´jovem´; a minha corria o tempo dos mortais.  E mesmo com a alma comprometida (1) fui agraciada pelas belas palavras do doutor ao referir a mim, como uma ´jovem liberta´ devido a constância nos estudos. Disse enfaticamente: “estudar nos torna jovens! (2) Mas, o que a trouxe dessa vez? Ainda há um coração? Ou devoraste o teu como Rimbaud? ”

Coração coeur-de-louise bourgeois, 2004

Louise Bourgeois (Paris, França, 1911- Manhattan, NY, EUA, 2010), HEART, 2004.

Meu coração pesa muito; é como o coração de um beija flor, tem 180 batimentos por segundo quando sofro. Pode chegar a 190 batimentos quando sinto ciúmes. Diminui para 50 quando vislumbro um escape. Mas no escape são todos urubus disfarçados de cordeiros. Entre o assado e a carniça há um coração e um Dürer.

– “Desculpe doutor, o sr. Thomas Mann pede urgência! ”

– “Fausto, meu caro.  Venho interceder por esse coração… se a alma não foi vendida pela juventude, o coração não deve ser leiloado.  Uma alma pelo Dürer foi a abdicação do ego, do valor ao outro. Dürer será preservado! O coração de um beija flor também merece ser inscrito nessa história, aquém da juventude e da riqueza. Deixe-a ir. Interfiro nessa escrita por conhecer o que sustenta esse Ser. “

corações louise 2006

Louise Bourgeois (Paris, França, 1911- Manhattan, NY, EUA, 2010), Untitled (Hearts), 2006.

Mais uma vez, Dr. Fausto riu como Mr. Ryde, mas logo respondeu como Dr. Jakyll e por conseguinte como H. Miller.

Robert Louis Stevenson invadiu o consultório. Mann e Stevenson chegaram a esboçar um confronto, mas gritei a efusão literária até falhar a voz. O coração era meu, a dor era minha. Peguei minha bolsa e saí sem olhar para trás, cantarolando as seguintes palavras: “Diga que eu só vou voltar depois que eu me encontrar. ” (3)

A transformação foi imediata: “pele por escamas, pernas por cauda, guelras e música” (4)… ao MAR.  ‎

 

 

Referências:

(1) Minha Alma Imortal

(2) MANN, Thomas. Doutor Fausto. Tradução Herbert Caro. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1952. Volume II, p. 417.

(3) Preciso me encontrar

(4) A(…)MAR ou “vivendo com saudades”

Série Ficcional H. Miller XXVII: O corpo por um fio

13 abr

por Lia Mirror

 

Se você não conseguir fazer com que as palavras trepem, não as masturbe.

(Henry Miller)

 

Em um daqueles dias torrencialmente chuvosos corri pelas ruas como um dia de sol. O sol era interno no manicômio do meu corpo. Despi as vestimentas morais e ri dos insanos olhares. Molhada também de prazer, torci o peso do encharque e continuei bendizendo o desejo. Blasfemei os tropeços e me joguei como um tênis sobre um fio de alta tensão.

 

Louise Bourgeois (Paris, França, 1911- Manhattan, NY, EUA, 2010)  Arch of hysteria, 1993.

Louise Bourgeois (Paris, França, 1911- Manhattan, NY, EUA, 2010) Arch of hysteria, 1993.

 

Por alguns segundos oscilei como um pêndulo; mas logo caí. A queda foi amortecida pelo divã abandonado; as mãos protegeram-me do embate corporal, mas as linhas  foram alteradas, foram reescritas. Levantei e caminhei contra o tempo. Confrontei e abri frestas subterrâneas. Nadei rios de correntezas e subi o morro para avistar o mar. Era o meu morro do nascimento. Meu Morro, Morro de saudades. Meu desejo, Morro de desejos.

Ao poetizar o Morro dei conta de que nosso encontro não estava previsto. Insurgimos e esculpimos nosso próprio tempo. Nossa mistura de segredos e diferenças. O gosto do gozo. O prazer da ficção.

 

Mulheres artistas (Parte II)

12 jan

por Gisèle Miranda

 

 

As transformações do século 20, principalmente a partir da década de 1960 ocorreram sob as vestimentas da revolução sexual, mas em meio aos destroços da Segunda Guerra Mundial, da Guerra Fria,  das guerrilhas, das ditaduras militares pela América Latina, do Apartheid, dos  “muros”, enfim uma série de acontecimentos históricos importantes.

Pensadoras começaram a deflagrar as ressacas de guerras às fugacidades do contemporâneo. O devir liberdade é incorporado por artistas pelos processos psicanalíticos, a exemplo de Louise de Bourgeios (1911-2010), Lygia Clark (1920-1988) ou de  Marina Abramovic (1946-) no próprio corpo, na geografia que imprime as catástrofes humanas e que acolhe os sujeitos.

É nesse momento que os Outros (sujeitos) são vistos na performance, muitas vezes de maneira cruel. O corpo apresenta marcas, vulnerabilidades e desgastes. De um devir-mulher a um devir-animal ou vegetal… até num devir-imperceptível. (Deleuze, 1993, 11)  Há um risco iminente, uma visualidade e sensações em um limite muito tênue entre o corpo e o que se pode suportar.

Há mulheres nas artes que nos remetem as questões de suas ausências na História da Arte; o número que pode ser representativo através de nomes da exposição ELLES: mulheres artistas na coleção do Centro Georges Pompidou, que em 2010 suscitou em Paris uma grande discussão sobre a importância dos museus, galerias e seus poderes de agregação ou de valorização de trabalhos ao gênero masculino por força de uma historicidade excludente a mulher.

A exposição  Elles, curadoria de Emma Lavigne e Cécile Debray saiu itinerante e chegou no Brasil em 2013; 115 obras expostas de 1907 a 2010. Entre “ELAS” estão as brasileiras Rosangela Rennó (1962-), Anna Maria Maiolino (1942-), Lygia Pape (1927-2004), Anna Bella Geiger (1933-), entre outros nomes internacionais como Suzanne Valadon (1865-1938), Frida Kahlo (1907-1954), Marina Abramovic, Louise de Bourgeois. Todas com obras de temporalidades e técnicas diferenciadas, contudo, sob perspectivas de debate sobre a inserção das mulheres ou a ausência das mulheres nas artes.

 

Lygia Pape, Divisor, 1968.

Lygia Pape, Divisor, 1968.

.

 

Em paralelo a exposição ELLES, a Guerrilla Girls resolveu computar as participações de mulheres na história da arte pela Europa e EUA, constatando que: As mulheres precisam estar nuas para entrar no Metropolitan Museum? Menos de 5% dos artistas nas seções de arte moderna são mulheres, mas 85% dos nus são femininos.

 

 

Referências:

ABRAMOVIC, Marina: Transitory object for human use. (Exposição) São Paulo: Galeria Brito Cimino, jun. e jul. 2008.

ABRAMOVIC, Marina (performances e roteiro do filme): BALKAN Baroque. Direção Pierre Coulibeuf. Fotografia de Dominique Regoleur, França, 1998. 61 min.

ABRAMOVIC, Marina: a artista está presente. (filme) Direção Jeff & Druppe e Mathew Akers. EUA, 2012. 106 min.

ARGAN, Giulio Carlo. Imagem e Persuasão: ensaios sobre o Barroco. Tradução Maurício Santana Dias. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ARGAN, Giulio Carlo. Clássico Anticlássico: o Renascimento de Brunelleschi a Bruegel. Tradução Lorenzo Mammì. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. Tradução Denise Bottmann & Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BEAUVOIR, Simone de. Por uma moral da ambigüidade. Rio de janeiro, Nova Fronteira, 2005.

CARDOSO JR., Hélio Rebello (Org.) Inconsciente Multiplicidade: conceito, problemas e práticas segundo Deleuze e Guattari. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

COHEN, Renato. Wok in progress na cena contemporânea: criação, encenação e recepção. São Paulo: Perspectiva, 1998.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Perspectiva; Editora da Universidade de São Paulo, 1989.

DUBY, George & PERROT, Michelle. Imagens da mulher. Porto: Edições Afrontamento, 1992.

FREIRE, C. Poéticas do processo da arte conceitual no museu. São Paulo: Iluminuras, 1999.

GOMBRICH, Ernst H. História da Arte. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

GULLAR, Ferreira. Relâmpagos:  dizer o ver. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

LOUISE BOURGEOIS: o retorno do desejo proibido & Escritos psicanalíticos. Org. Philip Larratt-Smith. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2011.

NAVES. Rodrigo. O vento e o moinho: ensaios sobre arte contemporânea. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

ROLNIK, S. Pensamento, corpo e devir. São Paulo: Caderno de subjetividades, V.1, n. 2 PUC/SP, 1993.

RIVERA, Tania. O avesso do imaginário: arte contemporânea e psicanálise. Casc Naify, 2013.

Gestação violência (por gerações)

30 ago

Por Gisèle Miranda

 

Ao acompanhar a prisão de Goran Hadizic (em 2011), um dos líderes da limpeza étnica da Bósnia e considerado o ultimo assassino em massa do conflito da Península Balcânica – penso que – pela geração de jovens filhos de estupros, estamos longe de ter o último assassino em massa.

As prisões de Ratko Mladic e Goran Hadizic, (em maio e julho de 2011), assim como de Slobodan Milosevic (em 2000) foram conquistas do Tribunal Internacional da ONU. Estima-se que 50 mil mulheres foram estupradas sob incentivo desses líderes.

A dura temática é recorrente neste blog, donde se coloca a mulher como – arma de guerra –, historicamente uma das mais antigas violências em vigor, independente dos avanços contabilizados pelas mulheres em diversos espaços. Já que, além das guerras de outrora aos conflitos do século 21, os filhos de estupros continuam a agregar números altíssimos.

No Congo os registros contabilizam 200 mil estupros; cálculo efetuado a partir da criação de um hospital específico para casos de estupros seguidos de mutilações, desde 1999.

No Brasil, o Núcleo de Estudos da Mulher e Relações Sociais de Gênero da USP (2012) vem discutindo sobre os estupros seguidos de morte durante a Segunda Guerra Mundial – “no sofrimento das mulheres durante o Holocausto” (cerca de dois milhões), até então tema ocultado no genocídio de judeus.

Longe de guerrilhas e depois da mudança do Código Penal de 2009, o estupro no Brasil deixou de ser ‘atentado violento ao pudor’ sendo punido com maior rigor, mas nem por isso extinguiu. Mesmo sabendo que o silêncio das vítimas predomina e não contabiliza. É fato que o estupro desumaniza e o covarde ato é danoso há longo prazo.

Avenida Atílio Martini, Campinas/ SP, julho de 2011 (Foto: Reprodução/ EPTV)

Em 2014,a luta do médico congolês Denis Mukwege foi reconhecida, em paralelo, a luta por driblar os atentados sofridos em decorrência do ofício de salvar e dignificar vidas.

 

Sugestões e referências:

Sobre o médico congolês Denis Mukwege:  http://cndhc.org/index.php/noticias-4/88-premio-sakharov-2014-medico-congoles-denis-mukwege-premiado-pelo-tratamento-de-vitimas-de-violacao

Sobre Louise Bourgeois: http://www.elidatessler.com/textos_pdf/textos_artista_1/Da%20casca%20de%20laranja%20ao%20casaco%20do%20pai%20LOUISE%20BOURGEOIS.pdf

HEHGEPETH, Sonja M. & SAIDEL, Rochelle G. Sexual Violence against Jewish Women during the Holocaust, HBI Series on Jewish Women Brandeis University Press, 2010.

SORG, Letícia. A mais covarde das armas de guerra. In: Revista Época, 18 de julho de 2011, p. 104-106.

%d blogueiros gostam disto: